REVIEW: Bates Motel – “Presumed Innocent": S02E07

Quando uma série é muito boa, como Bates Motel, o telespectador, quando vê que a série está meio que saindo do seu foco principal e entrando em um caminho que não agrada, sempre tem esperanças altíssima de que vá melhorar, afinal, é um mal que persegue todas as séries.
 Mas essa temporada de Bates Motel, desde o começo, não vem cumprindo com o requisito, e cada vez mais fazendo o público perder um pouco da esperança que resta na série. Sei que é muito cedo para dizer que a série está ruim (não está), mas isso é o mal de séries que tem temporadas de estreia espetaculares, como foi a 1ª de Bates Motel: na maioria das vezes, a continuação não agrada, e não cumpre nem metade do que o público espera. Enfim, não consegue se superar.
É difícil pra mim dizer que Bates Motel está ruim, com uma produção, atuação, fotografia e o amor que sinto pela série. Mas mais difícil ainda é dizer que a série se encontra no seu melhor estado, ou sequer boa. Normalmente os episódios estão seguindo um padrão de serem lentos durante todo o tempo, e a última cena salvar. Mas do que adianta se o resultado de um cliffhanger tão bom resulta sempre em uma continuidade ruim?


O começo de um dos episódios mais lentos de Bates Motel é a té bacana, mostrando a Norma descobrindo que o filho foi preso, e está sendo um dos principais suspeitos pelo acidente na casa da Cody. Ela logo associa ao incidente em que Norman matou o pai durante um 'blackout'. Mas claro, conscientemente, porque ela não quer revelar que o filho tem esses acessos, porque, obviamente, vão querer investigar isso, e acabar chegando na morte do pai. Vem cá, o Norman é muito retardado MESMO pra não perceber que não pode contar sobre esses incidentes pra polícia, né? Cara burro!

Enfim, é ótimo ver que a série não se esqueceu das suas perguntas sem respostas, porque eu já estava, sinceramente, bem preocupado. O que é uma pena mesmo é ver Bates Motel sendo desperdiçada com plots tão improdutivos como a personagem Cody. Já disse na review anterior, e vou repetir, que sei que ela é um caminho para desenvolver os blackouts do Norman. Mas e daí? Tinha tantos caminhos possíveis para se fazer isso, sem precisar torturar o público com romances adolescentes forçadíssimos e sem graça (cof cof Emma & Cupcake boy). Ainda bem que ela foi embora. fazendo, finalmente, uma coisa correta: induziu Norman a indagar a mãe sobre o que anda acontecendo com ele, o que resultou em uma das frases mais fodas que a série já teve: "Quem sou eu mãe? Quem sou eu, e o que fiz?"
O diálogo foi inteiramente bom, com a Norma se recusando a contar para o filho que ele matou o prórprio pai. Seria muito bacana que a morte da Norma tivesse a ver com a morte do pai do Norman, não seria? Ele descobrindo, tendo um acesso e matando a Norma...

Enfim, o episódio passou o tempo inteiro enrolando, e enrolando, e para a surpresa de todos, as melhores cenas ficaram com o plot mais desnecessário possível: Nem Norman, nem Norma, nem Emma... DYLAN!
Para vocês verem o tamanho da minha decepção com os caminhos de Bates Motel, o plot que eu estava odiando foi o que teve melhores cenas... e a série finalmente aprofundou no misterioso (e tedioso) Nick Ford. Teve mais uma daquelas referências já batidas à ele com a Norma falando que conseguiu o lugar no conselho da cidade simplesmente pedindo o emprego. O pessoal ficou meio 'Tá brincando, né?'.
Aí mais tarde tivemos a 'turminha' do Zane invadindo a casa do Ford, e deixando o Dylan lá para ser pego. Não antes, claro, de meterem a porrada na cabeça do Dylan até deixarem ele desacordado no chão.
Achei bacana, mas forçado, fazerem o Zane saber do plano da irmã, para de Dylan investigá-lo. Foi bom pra mostrar que ele não é tão maricas quanto o Romero pensava, e boa parte do público.

Então a última cena foi a que, garanto, surpreendeu não só a mim mas todo o público. Os roteiristas de Bates Motel mostraram que ainda sobra um pouquinho da genialidade que eles tiveram para escrever a 1ª Temporada, e conseguiram encaixar e culpar o Norman pela morte da Blair de uma forma incrível.
Eu, sinceramente, acreditava na teoria de ter sido a Bradley a assassina da professora, mas a polícia ter associado o sêmen que tinham encontrado no corpo da professora (que foi citado lá no começo da temporada), ao DNA tirado da saliva do Norman (uma cena, que nesse episódio, foi tratada com tanta irrelevância) foi COISA DE GÊNIO!!! Palmas.

Agora esperemos que esse cliffhanger dê em alguma coisa realmente produtiva para a temporada, pois o plot mais aproveitável desde a estreia se perdeu (Caleb), e tudo, desde então, se resumiu a romance adolescente.
"Ah, mas foram só 2 episódios disso", sim, foram, mas a temporada só tem 10 deles. 4 episódios dessa temporada foram bem abaixo da média, e quase metade dela, para uma série com tanto potencial como Bates Motel, foi perdida. Vamos rezar para que tudo seja recompensado nesses 3 últimos que faltam.

• Agradeçam a policial intrometida que salvou um pouquinho do episódio
• O que foi o Norman de avental na cozinha? Tenho certeza que era a Norma ali HAHAHAHHA
• Quando vi na prévia que a Norma ia afrontar a Cody, achei que ia ser uma bem melhor...
• Cody foi embora (PARA SEMPRE, espero)




Promo do Próximo Episódio:

Yuri Hollanda

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO