Review: Game of Thrones - The Laws of Gods and Men (S04E06)

Sinopse:

Stannis e Davos partem de Pedra do Dragão com uma nova estratégia. Daenerys se encontra com suplicantes. Tyrion confronta seu pai na Sala do Trono. 

Uma beleza de episódio, com toda a certeza, deixou um pouco de lado a enrolação do episódio passado e tivemos finalmente o julgamento de Tyrion, ponto alto dessa primeira parte da temporada. Além de vermos novamente Theon, que já estava fazendo falta. Foi um episódio que tratou de poucas coisas, mas se aprofundou bem nelas.

São mostrados quatro plots nesse episódio, alguns mais interessantes que outros, mas todos são importantes para a história. Começamos com Stannis, indo até Braavos pedir dinheiro emprestado para vencer a guerra (que já está bem perdidinha pra ele no momento). Primeiramente, a estética da cidade é muito boa, com o guerreiro logo na entrada, como sempre a HBO faz muito bem as coisas. Mas enfim, Stannis é uma pessoa muito orgulhosa, disso não a dúvidas, então podemos imaginar que ele deve se sentir muito humilhado tendo que ir pedir dinheiro emprestado por não ter aliados o suficiente para manter sua guerra, e ainda assim ser humilhado ainda mais pelo bravosi.

Queria deixar escrito aqui, o fato de não ser bem assim que Stannis consegue o dinheiro emprestado dos Banco de Ferro, mas é bem legal o discurso de Darvos e como já decidi aceitar as ofensas feitas ao livro, achei a cena ótima. Agora é esperar eles irem guerrar com o dinheiro que conseguiram. 

O próximo plot apresentado no episódio é o de Theon, esse vai muuuuito longe dos livros, mas entendo precisarem resumir um pouco o que acontece com Theon. A cena da Yara tentando salvá-lo e ele dizendo que não é amis Theon e sim Fedor ilustra bem tudo que está passando na cabeça dele (como lemos no livro, que no caso é o Dança dos Dragões), mostra como ele já sofreu tanta tortura que não acredita que ainda terá salvação, mesmo que a irmã dele tenha aparecido em sua frente. A cena em que Ramsay deixa Theon tomar banho é demais, um simples banho é um prêmio para ele, pobre Theon.

Um plot bem menos interessante, na minha opinião, é o da Daenerys. Nesse episódio vemos ela pagando pela cabra que o dragão dela comeu, coisa que ainda vai render mais pra frente, e somos apresentados a Hizdahr zo Loraq que futuramente será um personagem bem importante. Enquanto isso, em Porto Real, o Conselho conversa sobre Daenery, ainda a menosprezando. Após a reunião Oberyn e Varys tem um conversa que não leva alugar nenhum, mas ficamos sabendo um pouquinho mais sobre Varys.

Seguindo, finalmente, para a parte mais importante do episódio: O julgamento de Tyrion. Enquanto algumas cenas não ficam tão boas como nos livros, essa é uma das que ficam perfeitas, Peter Dicklage é o ator mas certo para o personagem que poderia existir. Como Cersei já vinha desde a morte de Joffrey preparando todas as testemunhas, já era de se esperar que Tyrion não tivesse chance alguma de ser declarado inocente, até mesmo Varys o incrimina. 

Então Jaime consegue barganhar com Tywin para que deixe Tyrion viver em troca de abandonar a Guarda Real e ir para Rochedo Casterly, se casar e procriar, assim Tyrion poderá pedir misericórdia e ir servir na Muralha. Porém, quando Shae sobe para depor Tyron não suporta ver a mulher que ama contar tantas mentiras sobre ele. A explosão de Tyrion é simplesmente demais, ele despeja todo o rancor que tem guardado de todos os presentes, o “Eu sou culpado de ser um anão” é muito foda. E assim perde a oferta de ir para a Muralha. Então ao fim ele declara que quer um julgamento por combate.

Final perfeito, deixando um cliffhanger ótimo para o próximo episódio, que eu imagino será centrado em Tyrion novamente. Ainda temos que descobrir quem vai lutar por Tyrion e quem vai lutar pela coroa no Julgamrnto por Combate, talvez haja algumas mudanças quanto ao livro, espero por surpresas. 


Promo do próximo episódio:

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO