REVIEW: Revenge – 'Execution' (S03E22) [Season Finale]

Sinopse:
Enquanto o destino de Conrad é traçado perante à justiça, Emily tenta colocar a última fase do seu plano de vingança em prática.
Primeiramente, devo dizer que é com grande pesar que inicio esta review do último episódio da decisiva terceira temporada de Revenge. Por que? Porque o meu maior medo se concretizou, e agora não existe mais volta. Mas vamos por partes.

Preciso também admitir que Sunil Nayar, ao assumir o posto do criador da série Mike Kelley (que largou o barco ao final da temporada passada), fez um ótimo trabalho durante toda esta temporada trazendo nossa querida série de volta para a relevância, salvando-a daquela confusão sem precedentes que foi a segunda temporada, criando uma terceira mais sóbria, menos complicada e o melhor de tudo, mais focada e voltada para suas origens.

Execution, só pelo título, já vem destinado a grandes coisas (assim como seu antecessor, Impetus, um episódio que também possuía um nome de força e grande responsabilidade). Porém percebemos que este season finale acaba fazendo com que a tão esperada execução do plano soe, ao mesmo tempo, ousada e decepcionante. Mas será que foi tão ousada assim? Ou melhor, de uma ousadia relevante?

A decisão de revelar que David Clarke está vivo sempre pairou sobre Revenge desde sua ótima primeira temporada, mas eu sempre quis acreditar que isso não faria o menor sentido para a série. Conforme as temporadas foram passando, minha opinião sobre isso só se intensificou. E eis que neste season finale, meu maior medo se concretizou. David Clarke surge emblematicamente e ainda acaba esfaqueando Conrad em uma estrada nebulosa.

A escolha de trazer David Clarke de volta à vida em Revenge, com o agravante de que agora a série quer nos convencer de que ele não é tão altruísta assim como acreditou-se até agora, surge como uma punhalada nas costas dos telespectadores, traiçoeira e irreversível. David Clarke estar vivo não só anula tudo o que vimos até hoje na série, como também despedaça sua premissa, afronta nossa inteligência e faz com que a personagem de Emily VanCamp e dos que a ajudaram pareçam completos babacas por terem passado tanto tempo arriscando a vida e sua luta ter sido praticamente em vão. Sem falar no verdadeiro motivo da tomada desta decisão (o mais revoltante de tudo), que é apenas trazer shock value e esticar a série até onde não poder mais. A única coisa que enxergo é um desespero sem tamanho. Quando eu paro para pensar nas consequências que a volta deste personagem que sempre acreditou-se estar morto (e que a premissa da série inteira gira em torno justamente de sua morte), só consigo enxergar lambança. Dificilmente sairá um plot que preste disso tudo, ou que justifique tal aparição.

Não satisfeitos em apenas tomar a pior decisão que poderiam tomar em Revenge, os roteiristas continuam dando um show de incoerência ao matar Aiden. Um dos personagens mais importantes da série, diria até que tão importante quanto Nolan (cada um com seu papel e sua devida importância), sucumbiu ao veneno – literalmente – de Victoria. Sim, essa foi a forma que os roteiristas encontraram para que Emily finalmente tomasse uma atitude definitiva. Até aí tudo bem, afinal, eu mesmo estou exprimindo a importância de Aiden no universo revengesco, porém, é no mínimo incoerente se desfazer de um personagem crucial como esse para acelerar algo que mais cedo ou mais tarde acabaria acontecendo. A coisa fica ainda mais incoerente quando paramos pra pensar que Charlotte, Daniel e Jack continuam vivinhos da silva, sem função alguma e com seus plots que NINGUÉM se importa. O desapego definitivamente é uma coisa com que os roteiristas de Revenge não sabem lidar – trazem David Clarke de volta, assassinam Aiden e mantém Daniel, Charlotte e Jack vivos.

Mesmo que tenha sido um episódio movimentado, que entretém, que deu o que muitas pessoas esperavam desde o início da série (podendo ser facilmente o series finale – e será para os que abandonarem o barco), que rendeu boas cenas (Emily FINALMENTE agredindo Victoria foi o ponto alto do episódio e a explosiva última cena com Emily e Victoria no hospital psiquiátrico) e outras nem tanto (a cena em que Emily encontra o corpo de Aiden sentado no sofá foi involuntariamente cômica, sendo que em hipótese alguma poderia ser), a conclusão que se chega é que Execution erra muito mais do que acerta. É um episódio – e series finale – bem intencionado, mas isso não é o suficiente.

Os fatos mais tristes disso tudo – e olha que já estava extremamente lamentável até aqui – são: saber que AINDA não é o final; e que a estrada que vejo para Revenge daqui pra frente é tão nebulosa quanto a que jaz o corpo de Conrad Grayson.


Nota do Episódio: 6/10
Nota da Temporada: 8/10

André de Oliveira

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO