Resenha | Battle Royale

Título: Battle Royale
Autor(a): Koushun Takami
Editora: Globo Livros
Ano: 2014
Páginas: 664
Sinopse: Em ‘Battle Royale’ o autor se aprofunda com mais vigor no desenho psicológico dos numerosos personagens – a turma de estudantes tem 42 pessoas -, trazendo à tona informações sobre a história de cada um como forma de explicar seu comportamento e suas reações diante dos perigos do jogo pela sobrevivência. Na batalha de todos contra todos, há os que enlouquecem, os que se revoltam, os que extravasam os piores instintos, os que buscam se alienar – e até os que assumem com prazer a missão de eliminar pessoas que horas antes eram colegas de classe. Nesse ambiente, o fio do suspense se mantém esticado o tempo todo – é possível confiar em alguém? Do que um ser humano é capaz quando toda forma de violência passa a ser incentivada?

_____________________________

Battle Royale conta a história dos estudantes de uma turma de nono ano do ensino fundamental de um estado totalitário que são jogados em uma ilha e obrigados a se matarem até restar somente um. Esse jogo ao qual eles são submetidos, teoricamente, é um programa do governo que tem como objetivo analisar o comportamento deles naquela situação, porém, é óbvio que aquilo é usado como forma de amedrontar a população. Essa história não é estranha para você, não é? Sim, lembra bastante Jogos Vorazes, mas vamos deixar as comparações para depois.

Eu estava a algum tempo querendo ler este livro e, apesar das expectativas altas, eu não me decepcionei. O plot do livro em si já é bastante instigante, e a escrita do autor é bem envolvente. Apesar das circunstâncias e da grande quantidade de personagens, o autor soube desenvolvê-los, na medida do possível, fazendo com que a morte deles tivesse alguma importância na história. Na maioria dos casos, o autor contava um pouco da história dos personagens, explicando o porquê deles terem tomado certas atitudes ao longo da história. Às vezes, fazendo você se apegar ao personagem só para vê-lo morrer em seguida.

Falando das mortes dos personagens, o autor narra todas elas. O livro é narrado em terceira pessoa e o leitor tem o relato de todas as mortes que acontecem no livro. E, também, como já foi falado, o autor apresenta um panorama um pouco mais detalhado da vida de alguns personagens, o que prende o leitor durante toda a leitura. O que torna o livro mais interessante ainda é o fato de que todos ali já se conheciam. Afinal, trata-se de colegas de classe.

Apesar do foco da narrativa ser dividido entre vários personagens, o livro tem um grupo de “protagonistas”. Por mais que o foco saísse de Shuya, Noriko e Shogo em alguns capítulos, o autor sempre voltava para contar o paradeiro deles.

O desfecho que o autor deu à história foi sensacional. Ao longo da leitura, você vai tentando adivinhar como que será o fim do livro, mas, eu, pelo menos, não imaginava a forma como o autor finalizou a história.

Os nomes japoneses me confundiram um pouco no início do livro. Como não sou acostumado a escutar nomes assim, fiquei bastante perdido no começo e tinha que ficar olhando a lista de alunos do início do livro. Outra coisa que ajudou foi que sempre que algum aluno era citado, logo em seguida vinha em parênteses o número da chamada dele. Por exemplo, (Estudante Nº X). Mas, no geral, isso não atrapalhou a fluidez da leitura, não demorou muito até eu me acostumar.

Quanto às semelhanças com Jogos Vorazes, além da ideia principal, sim, existem cenas bem parecidas. Eu, particularmente, gosto bastante de Jogos Vorazes, e tendo lido as duas obras acho meio difícil que a Suzanne Collins não tenha, pelo menos, se baseado em Battle Royale. Mas não estou querendo desmerecer a história criada por ela. Tanto que, Jogos Vorazes vai bem além da arena e tem todo o desenvolvimento da rebelião e tudo mais, enquanto Battle Royale é focado somente no jogo e é um pouco mais “adulto” (e sangrento).

Enfim, Battle Royale é mais do que recomendado. Se você está procurando um livro que te prenda do início ao fim e se você gostou de Jogos Vorazes, leia Battle Royale. O livro tem grandes chances de te agradar. E se você não gostou de Jogos Vorazes, dê uma chance a Battle Royale, pois ambos têm uma ideia parecida, mas  foram desenvolvidas de formas diferentes.

PS: A edição da Globo Livros está demais! Além de ter folhas amareladas e de ter uma ótima diagramação, o livro também tem um ótimo acabamento na capa. E a edição também vem com mapas da ilha e também com a lista de estudantes, que foi bem úteis durante a leitura. A editora está de parabéns!

 

Lucas Zeferino

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO