Review | Witches Of East End - 'A Moveable Beast': S02E01

Não adianta negar, quando a primeira temporada de "Witches Of East End" estreou você não deu a mínima bola para série pelo preconceito que você teve ao escutar que era uma série sobre bruxas, mesmo que você tenha assistido a última temporada de "American Horror Story" e gostado bastante. Dito isso, quero que você saiba que perdeu de assistir uma ótima primeira temporada de uma série sobre bruxas e feiticeiras por causa de um mero capricho, e agora deverá fazer o mesmo com a segunda temporada, mas meu caro você não sabe o que está perdendo, porque esse Season Premiere foi um dos melhores dessa Summer Season até agora.

Depois de um Season Finale que trouxe um ótimo cliffhanger para a segunda temporada, com a abertura de um portal que jamais tinha sido aberto, nossa família de bruxas têm agora a tarefa de caçar a força oculta, ou melhor, a sombra que se libertou daquele portal. Mas esse não é o único problema que Wendy, Ingrid, Joanna e Freya tem que enfrentar, porque vocês lembram do feitiço que Penelope jogou em Joanna? Pois é, agora está quase matando nossa querida personagem.

Feito a propaganda do episódio, vamos ao que interessa - aos acertos e aos erros do episódio. Uma coisa boa que eu gostei de ver nessa série foi que eles se ateram a sua essência inicial que era contar uma história de bruxas, é claro que, tivemos indícios de uns certos lobisomens vindo por aí (espero que eu esteja bem errado), mas a proposta inicial da série continua lá, firme e forte, mesmo que a Lifetime tenha dado mais dinheiro a produção por causa do sucesso que a série fez no ano passado, fator que geralmente atinge a alma de qualquer programa.

Outra coisa que melhorou bastante foi o desenvolvimento dos personagens e a distribuição da "atenção" do roteiro, porque querendo ou não Freya (por ser interpretada pela segunda atriz mais conhecida do elenco) teve os melhores plots da primeira temporada e teve o melhor desenvolvimento, além do mais foi o centro de um importante fator que tornou "Witches Of East End" interessante - a problemática fraterna entre Dash e Gillian. No entanto, agora isso muda bastante, porque vemos um olhar mais dedicado para Joanna que ganhou bastante espaço, para Wendy que é responsável pelo alívio cômico e (principalmente) para Ingrid que até agora só reforçava o estereótipo de que ser inteligente é pré requisito para ser excluída.

Na primeira temporada tivemos uma vilã excelente, me arrisco em dizer até que foi uma das melhores da TV no ano passado, que para quem não lembra fora interpretado pela sempre ótima Virginia Madsen, mas mesmo sabendo que vi apenas um episódio até agora, não sei quem poderá aparecer como o grande nêmesis dessa temporada, mas será difícil bater a Penelope da temporada inaugural. Falando nisso, acho importante comentar um dos pontos mais criticados da primeira temporada - os efeitos visuais, que mesmo não me dando motivos para reclamar lá, sou obrigado a reconhecer que eles melhoraram bastante, o que deixa o espetáculo ainda melhor, porque uma série de bruxas em que os feitiços não encham os olhos, podemos classifica-la (no mínimo) como incompetente.

Com esse retorno eu posso te dizer, sem o menor medo de errar, que a Lifetime esta tornando-se um lugar de boas séries, que mesmo sendo esnobadas pelos prêmios, são aquelas que nos prendem do início ao fim e (principalmente) entretém o público, seja ele qual for. Ainda duvida? "Witches Of East End", "Devious Maids" e as já canceladas "Drop Dead Diva" e "Army Wives" estão (ou estavam) aí para provar.

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO