Crítica | Livre


A jornada física e psicológica para superar o luto


É difícil, no primeiro contato com Livre – independentemente se for por meio do trailer, da sinopse ou se você for assistir ao filme sem saber do que se trata – não lembrar de Na Natureza Selvagem, filme de 2007 dirigido por Sean Penn (que também era baseado em uma história verídica). Os mais xiitas vão reparar semelhanças até nos títulos das obras: a de Penn se chama Into the Wild e a de Jean-Marc Vallée, Wild.

Entretanto, Vallée parece saber não só da existência dessa semelhança, como também das possíveis comparações. Dessa forma, ele cria um filme que não possui praticamente nenhuma semelhança com o de Sean Penn, além dos títulos e das pesadas mochilas nas costas que seus personagens carregam.

Livre é, antes de mais nada – antes mesmo de ser um filme sobre mudança de vida, superação de limites físicos e psicológicos e reaproximação com a natureza –, uma história sobre superar o luto. A morte da mãe de Cheryl Strayed desencadeia todos os acontecimentos da trama e tem papel importantíssimo na decisão de pôr um ponto final em sua vida antiga e recomeçar do zero. Para isso, a jovem decide fazer uma caminhada, sozinha, pela Pacific Crest Trail, que se estende da fronteira dos EUA com o México até o Canadá, totalizando mais de 4 mil quilômetros de extensão (Cheryl caminhou 1800 na história verídica).

A direção de Vallée, juntamente com uma edição ágil e inteligente, faz bom proveito das belas paisagens da trilha, mas o que chama realmente a atenção é a forma com que a vida de Cheryl é contada, através de brilhantes flashbacks – muitos deles silenciosos e que duram poucos segundos na tela. Isso dá uma dinâmica muito interessante à narrativa, pois vamos descobrindo aos poucos (e de forma não linear) os motivos para a jovem ter se jogado nessa jornada.

Reese Witherspoon, em sua melhor forma, dá vida, honestamente, a uma Cheryl sensível, forte e também vulnerável, mas acima de tudo, crível. Sua química com Laura Dern – inspiradíssima, apaixonante, muito bem aproveitada e merecedora da indicação ao Oscar de coadjuvante – é um deleite para o espectador, e a direção de Vallée faz com que entendamos muito bem a influência que os ensinamentos, a energia e a educação de Bobbi exerciam em Cheryl, assim como o porquê de a mãe lhe fazer tanta falta.

Livre é uma história muito bem contada e que tem, entre seus maiores êxitos, o fato de não cruzar a linha tênue da pieguice. Porém, isso também serve de base para uma única ressalva negativa: Livre é um filme que dá seu recado, ele faz isso muito bem; mas não é um filme que emociona. Temos cenas belíssimas (como a que Cheryl ajoelha na floresta e chora ao lembrar da mãe), mas que não chegam a ser poderosas como poderiam (ou deveriam).

Vale destacar também (porque quando merece a gente tem o dever de elogiar) a adequada adaptação que o título Wild recebeu no Brasil: Livre. A palavra capta muito bem o espírito da história de Strayed e tem boa serventia se comparada à tradução ao pé da letra, que seria algo como Selvagem, Silvestre, Natureza Selvagem e derivados. Afinal, essa é realmente uma história de libertação, tanto física quanto psicológica. Cheryl parte nessa jornada com o objetivo de se sentir livre. Livre das escolhas erradas, do pesar, da dor, do luto. Livre do passado. Livre para recomeçar.

André de Oliveira

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO