Crítica | Vingadores: Era de Ultron (2015)


Seria fácil de se esperar que o universo cinematográfico da Marvel fosse colidir em 'Vingadores: Era de Ultron', afinal, foi em Vingadores (2012) que todos os personagens desse mundo, ainda pequeno naquela época, se juntaram. Todavia, não é isso que ocorre neste segundo filme, que decide por cima de grande parte das expectativas, focar basicamente nas mesmas pessoas. É um filme evento? Sim, mas principalmente é um filme sobre quem são essas pessoas que se autodenominam "Os Vingadores".

Sem delongas o filme começa com o grupo já unido a pedido de Thor para recuperar o cetro de Loki, que foi capturado pela Hydra no final de Capitão América: Soldado Invernal (2014). Ao recuperar o cetro, Tony Stark (Robert Downey Jr.) e Bruce Banner (Mark Ruffalo), usam-o para desenvolver uma inteligência artificial capaz de  salvar o mundo sozinha, e é bom lembrar coisas assim estão martelando na cabeça de Stark desde Homem de Ferro 3. Essa “inteligência", como a maior parte delas costumam fazer nos cinemas, percebe que a única forma de deixar o planeta em paz, sem guerras, sem fome, é tirando os humanos, e é aí que nasce o vilão... Ultron (James Spader). 

Ultron não é o único novo inimigo dos Vingadores, também somos apresentados aos irmãos gêmeos Pietro (Aaron Taylor-Johnson) e Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen), ou melhor, Mercúrio e Feiticeira Escarlate. Os personagens são o mais próximo dos X-Men que a Marvel pode chegar, mas o diretor Joss Whedon (Vingadores) utiliza cada segundo que eles tem na tela fazendo que ambos sejam tão auto suficientes quanto podem. Aliás, é algo que, como eu já disse, o filme coloca em perspectiva, a humanidade por trás dos heróis, que assim faz com que a historia arrume tempo até para dar uma atenção especial ao Gavião Arqueiro. Por visões da Feiticeira também podemos ver a fragilidade do Hulk, da Viúva Negra (Scarlett Johansson) e até de Thor (Chris Hemsworth), esse ultimo ganha uma mini jornada que tem uma deixa interessante para seu próximo filme. O “drama” não torna o filme melancólico, até por ser impossível quando aliado a uma comedia bem ao estilo Marvel e principalmente ao diretor Joss Whedon, mas que exagera em alguns momentos.

O ritmo do filme é um dos problemas: o inicio parece longo e sem sem vida, até mesmo quando  ocorrem diversas cenas de ação, e a segunda metade é o extremo oposto, o que é bom, mas faz parecer que faltou um controle do Whedon. O tanto quanto pareceu faltar coisas, pareceu ter coisas demais, fazendo a estrutura do filme sofrer para manter a escala épica necessária para contar a historia. Fora isso o filme consegue fazer o que o primeiro filme fez de melhor: cria uma dinâmica ainda mais vivaz entre os personagens,  sendo eles antigos e novos.
E ao falar do dinamismo incluo coisas como a incrível briga entre Hulk e Homem de Ferro, as discussões do Stark com o Capitão America (Chris Evans), a desconfiança dos gêmeos quanto aos vingadores e até uma relação amorosa entre Banner e a Viúva Negra, tudo que parece ser uma calma dica do que vamos esperar do futuro. Faltou uma relação extra entre os filmes e séries? Talvez, mas ele vive sozinho e é isso que importa no final das contas... e não é justo dizer que ele não tem MUITAS ligações menores aqui e ali, agora a questão é como ele vai afetar filmes como “Capitão America: Guerra Civil”, “Thor 3: Ragnarok” ou mesmo a série “Agent’s of S.H.I.E.L.D” é sem duvida algo que só esperando para ver... e "Era de Ultron" não da motivos para esperar menos do futuro da Marvel.

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO