Crítica | The Flash - 1ª Temporada

 

  O Corredor Escarlate chega à TV e faz um bom trabalho.



A tão comentada e aguardada série de TV do Flash terminou sua primeira temporada em alta. Com a maior audiência do canal The CW nesta fall season, a série já possui segunda temporada garantida e, se continuar desse jeito, terá vida longa. Os roteiristas parecem ter tudo planejado, e, pelo menos até agora, tudo está se encaminhando para um caminho interessante.

Diferente de Arrow, série da qual surgiu, The Flash segue mais o rumo do humor e também tem mais escancarada essa ideia de heróis com nomes e figurinos que seguem bem o que vemos nas HQs. Para muitos, isso fica um pouco ridículo em um live action. Eu, particularmente, gosto desse clima parecido com o dos quadrinhos. Não é nada de outro mundo vermos isso em uma série de herói. Tanto que até Arrow passou a ter mais disso em sua terceira temporada.    

Por outro lado, algo que me irritou um pouco na série foi que, para mim, o humor foi um pouco forçado. Todas aquelas piadinhas, principalmente as do próprio Barry, enquanto ele estava correndo para salvar alguém não me agradaram. Mas isso é algo pessoal. Tanto que, eu até gostei de algumas (poucas) tiradas do Cisco. 

O grande acerto desta primeira temporada foi o plot do Flash Reverso. Adoro esse tipo de trama que dá um nó no cérebro e envolve passado, presente e futuro. Eles souberam levar bem a história, de forma a eclodir em algo maior no finale. Confesso que às vezes ficava irritado quando eu dava o play no episódio e essa trama não era levada para frente (por causa de algum vilão isolado) ou por eles estarem “guardando” o desenvolvimento do plot principal para a reta final. 

Mas, como disse, no geral, a série me agradou. Conseguiu me deixar curioso pelos próximos episódios e fez eu me envolver e teorizar sobre o futuro. Não tanto quanto, aparentemente, todo o resto do mundo, que se empolgou muito mais com Barry Allen. 


Lucas Zeferino

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO