Resenha | A Elite (Livro 2)

Título: A Elite (Série A Seleção #2)
Título Original: The Elite
Autor(a): Kiera Cass
Editora: Seguinte
Ano: 2012
Páginas: 360 
Sinopse: A Elite - A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos. 

“A Elite”, continuação de “A Seleção”, mostra uma America bem mais emotiva e aberta que a do primeiro livro, por assim dizer, a situação toda que ela se encontra está em outro nível de sentimentos e dúvidas, e o triângulo amoroso entre ela, Maxon e Aspen se estabelece ainda mais nesse segundo volume da série teen distópica, já que agora, com apenas seis meninas restantes, o grand finale da Seleção está cada vez mais próximo e o dia que o príncipe Maxon terá que escolher a futura princesa está chegando.

Particularmente, não sou muito chegada em triângulos amorosos, mas aparentemente, essa é a nova fórmula do sucesso, pouquíssimas sagas atuais conseguem fugir dessa premissa. Talvez o diferencial de “A Seleção” (trilogia), seja no fato de que a abordagem emocional é o epicentro da história, em vez de a distopia em si, o que é uma pena, pois a ideia de uma sociedade dividida em castas com possibilidade de ascensão social quase nula e com bem mais da metade da população passando necessidades é um cenário que poderia muito bem ser explorado.

Devido o grande foco da trilogia ser nas relações amorosas dos personagens acarreta numa grande restrição de seu público, e o segundo livro permanece assim, então se você for ler o livro pensando que com o andar da história esse aspecto vá se alterar, nem leia, pois é decepção. Agora se você busca um enredo leve, de leitura rápida, romântica e com um leve toque de mensagem social só pra constar, então vai adorar.

Por outro lado, ocorre algo nesse livro em específico que é bastante contrária a ideia romântica que a saga vinha trazendo até então, em “A Elite” nós conhecemos uma outra faceta de Maxon (típico personagem cavalheiro, educado e lindo), que, para alguns leitores pode ser um tanto desapontador (pelo menos, para mim, foi), e também certos momentos que eu esperava mais da America, mais rebeldia, mais amor-próprio talvez, não sei, mas simplesmente queria que ela tivesse mais força de espírito ao lidar com o Maxon, não aceitasse os erros dele tão compreensivamente, mesmo que sejam justificáveis.

O que é algo bem legal nessa segunda parte é maior exploração de personagens secundários como o trio de serventes Mary, Anne e Lucy, que são absolutamente adoráveis, e também passamos a gostar mais de Marlee devido a revelação do segredo que ela guardava com tanto vigor, é bom sentir simpatia por esses personagens, do contrário a história vai se tornar insuportavelmente chata já que são as pessoas que a America convive a maior parte do tempo que ela não está com um dos dois mocinhos.

Enfim, o livro é bom, mas não é como o primeiro, talvez porque eu esperasse mais, já que gostei tanto do volume anterior, achava que esse seria absurdamente melhor, mas me decepcionei com o Maxon, com a America e odeio ainda mais o Aspen, então resta esperar que as coisas melhorem em “A Escolha” (terceiro volume), apesar de que, pelo andar da carruagem, não parece que vai tomar o rumo que eu gostaria.


Lara Gutierrez

Redes Sociais

SNAPCHAT

SNAPCHAT

ANÚNCIO